Social Icons

segunda-feira, 25 de março de 2019

APÓS QUATRO DIAS PRESO, MICHEL TEMER DEIXA SEDE DA PF NO RIO

Blog do Alex Ramos
O presidente Michel Temer deixou a sede da PF nesta segunda-feira
O presidente Michel Temer deixou a sede da PF nesta segunda-feira Foto: Ricardo Moraes/Reuters

O ex-presidente Michel Temer deixou a Superintendência da Polícia Federal no Rio, no início da noite desta segunda-feira, às 18h42. O desembargador Antonio Ivan Athié, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), decidiu nesta segunda-feira soltar Temer, o ex-ministro Moreira Franco e outras seis pessoas presas por decisão do juiz federal Marcelo Bretas. De acordo com Athié, os fatos citados por Bretas nos mandados de prisão são "suposições de fatos antigos" e não servem para justificar as prisões preventivas.
O ex-presidente foi detido no meio da rua, no Alto de Pinheiros, Zona Oeste, próximo à sua casa, na manhã de quinta-feira. Os policiais federais interceptaram o carro em que ele estava. Após anunciarem a prisão, um agente assumiu o volante e conduziu o veículo até o Aeroporto de Guarulhos.
Temer embarcou em Guarulhos pouco depois das 16h. Ele seguiu de avião até o Rio.
A defesa de Temer entrou com um pedido de liberdade no mesmo dia da prisão, na tarde desta quinta-feira. O recurso foi protocolado às 16h11 e distribuído para Ivan Athié, que decidiu nesta segunda soltar Temer e outros sete presos.
Além do ex-presidente Temer, Athié também determinou a soltura do ex-ministro e ex-governador do Rio Moreira Franco, o coronel Lima, amigo do ex-presidente, a mulher dele, Maria Rita Fratezi, acusada de atuar na lavagem de dinheiro por meio da reforma de um imóvel da filha de Temer, Maristela; Carlos Alberto Costa, Carlos Alberto Costa Filho, Vanderlei de Natale e Carlos Alberto Montenegro Gallo.
O desembargador havia pedido que o caso fosse incluído na pauta de julgamento do TRF-2, na próxima quarta-feira. A decisão seria tomada pela primeira turma especializada do tribunal. Na decisão desta segunda-feira, Athié argumentou que não houve tempo hábil de tomar uma decisão na semana passada e que aproveitou o fim de semana para ler o pedido do MPF e a decisão de Bretas.
Na decisão, o desembargador afirma que é "a favor da operação chamada "Lava-Jato" e que as investigações e decisões devem "observar as garantias constitucionais, e as leis, sob pena de não serem legitimadas".
"Ressalto que não sou contra a chamada “Lava-Jato”, ao contrário, também quero ver nosso país livre da corrupção que o assola. Todavia, sem observância das garantias constitucionais, asseguradas a todos, inclusive aos que a renegam aos outros, com violação de regras não há legitimidade no combate a essa praga", disse o desembargador.
Athié argumenta que os fatos citados por Bretas nos mandados de prisão "são suposições de fatos antigos, apoiadas em afirmações do órgão acusatório (Ministério Público Federal no Rio)", e que mesmo que se admita existirem indícios para incriminar Temer, eles não servem para justificar a prisão preventiva.
O desembargador diz que os fatos citados na decisão de Bretas, além de serem antigos, não demostram que os presos atentam contra a ordem pública, que estariam ocultando provas, que estariam embaraçando, ou tentando embaraçar eventual, e até agora inexistente instrução criminal, o que poderia justificar as prisões preventivas.
Segundo Athié, o fato de os casos narrados pelo juiz Bretas terem sido supostamente cometidos no passado já é suficiente para ordenar a soltura dos presos, um vez que a prisão preventiva tem como objetivo cessar atividades criminosas no presente. No caso de Temer e Moreira, o desembargador afirma ainda que os dois não ocupam mais cargos públicos. Logo, o motivo das prisões — de cessar as atividades ilícitas —"simplesmente não existe".
Na decisão de 21 páginas, Ivan Athié rebate argumentos usados por Bretas para justificar as prisões, como as citações de outras investigações envolvendo o ex-presidente. Para sustentar as prisões preventivas, Bretas relembrou, por exemplo, o caso JBS e o "quadrilhão do PMDB". Segundo Athié, embora ninguém discorde da necessidade de apuração de todos os fatos, "não há em nosso ordenamento jurídico — repito — antecipação de pena, tampouco possibilidade de prisão preventiva".
As prisões foram baseadas na delação do empresário José Antunes Sobrinho, um dos dosnoa da construtora Engevix. Em depoimento, Sobrinho contouque foi procurado por Lima em 2010, sob promessa de interferência no projeto da obra de Angra 3 com o aval de Michel Temer, em troca do pagamento de propina.
Posteriormente, Antunes relatou ter sido assediado entre 2013 e 2014 pelo coronel Lima e pelo ministro Moreira Franco (Minas e Energia) para fazer doações ao MDB. Antunes relata que foi levado para encontros pessoais com Michel Temer tanto por meio do coronel como por meio de Moreira Franco.
O ex-presidente Temer foi preso na manhã de quinta-feira pela força-tarefa da Lava-Jato. Agentes da Polícia Federal (PF) cumpriram 10 mandados de prisão — oito preventivas e duas temporárias — em São Paulo, Rio, Porto Alegre e Brasília. A ação, denominada Descontaminação, foi um desdobramento da Operação Radioatividade, que investiga desvios nas obras da Usina de Angra 3 e tem como base a delação do empresário José Antunes Sobrinho, dono da Engevix, que menciona pagamentos indevidos de R$ 1 milhão em 2014.

Do Extra
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
 
Luzimar Rodrigues