Social Icons

sábado, 19 de junho de 2021

Mauro: "Seleção está mergulhando em um mundo de fantasia muito perigoso"

 Blog do Alex Ramos

No Fim de Papo, live pós-rodada do UOL Esporte - com os jornalistas Luiza Oliveira, Mauro Cezar Pereira, José Trajano e Menon - os comentaristas apontaram os riscos que esta supremacia pode trazer à seleção brasileira.


"A seleção está mergulhando em um mundo de fantasia que é algo extremamente perigoso. Dá uma falsa sensação de um poderio que não existe. O Brasil é um time organizado, mas os outros são muito fracos. O Brasil sobra, mas está jogando contra ninguém e hoje mais uma vez foi isso. Foi um jogo fraco porque não tem desafio técnico", avaliou Mauro.

Apesar da fragilidade da seleção peruana, Menon viu motivos para elogiar o Brasil. "A seleção do Tite apresenta uma contradição: é dominante, vence com facilidade, mas ao mesmo tempo não empolga, extremamente burocrática. Hoje foi uma exceção e mostrou um futebol muito bom. A seleção triturou, jogou bem no segundo tempo e mostrou algumas variações", comentou.


Trajano discorda. "Não elogio nada porque enfrentou uma seleção fraca. O Peru não ganha do Vasco. Mesmo assim, o Brasil teve enorme dificuldade. Aqui na América do Sul, o Brasil vai reinar porque a Argentina vive um momento ruim. Nunca houve tanta facilidade para o Brasil dominar esses campeonatos", analisou.

Para Mauro, a seleção brasileira poderia se impor ainda mais aos seus adversários não fosse o pragmatismo de Tite. "Ele foi para a Copa-2018 achando que era um dos melhores técnicos do Mundial. Esperava que o Tite tivesse tirado lições. Contra o Paraguai [pelas eliminatórias da Copa-22], o Brasil fez 1 a 0 e recuou. Deveria ir para cima, encurralar os caras, mas não tem essa imposição. Hoje aconteceu a mesma coisa. Parece que nada mudou. Os conceitos são os mesmos", criticou.

Para Trajano, o treinador poderia aproveitar a oportunidade de fazer mais testes na seleção, e não apenas com relação a jogadores. "Ninguém tenta evoluir colocando dois volantes na equipe. Se quisesse testar, poderia botar apenas um. O Brasil foi mal no primeiro tempo, com menos posse de bola. Era para o Peru ter empatado", disse.

Mauro cobrou Tite por maiores variações táticas e alternativas de jogo para evitar tornar seu time previsível demais. "A proposta é muito pequena. Esse domínio muito grande deveria ser explorado com um pouco mais de ousadia na hora de pensar no time. É sempre tudo muito quadradinho", concluiu.


Do UOL

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
 
Luzimar Rodrigues