Social Icons

segunda-feira, 30 de maio de 2022

Milton Gonçalves fez parte do primeiro elenco de atores da Globo, contratado antes de a emissora entrar no ar

 Blog do Alex Ramos 

Milton Gonçalves tinha uma história e tanto no mundo da teledramaturgia. O ator fez parte do pioneiro elenco formado antes da primeira novela ser gravada na TV Globo. Já experiente ator de teatro, ele foi contratado em 1º de fevereiro de 1965, antes de a emissora ir ao ar pela primeira vez. O artista morreu nesta segunda-feira, aos 88 anos, por consequências de problemas de saúde que vinha enfrentando desde que teve um acidente vascular cerebral isquêmico (AVC), em 2020.

— Otávio Graça Mello, na época sogro da Marília Pêra, me chamou para fazer parte do primeiro elenco da empresa, antes mesmo de a emissora entrar no ar. Em janeiro de 1965, nós já fazíamos testes, montávamos equipes. Até que fiz a primeira novela das sete, “Rosinha do Sobrado”, com a Marília. Depois os trabalhos foram acontecendo, fui fazendo outras coisas... — relembrou Milton em entrevista ao EXTRA, em 2015.


Na mesma entrevista de 2015, o artista contou que com o primeiro salário que ganhou da emissora, chegou em casa e disse à mulher que se casariam. "O emprego na Globo me deu a possibilidade de pagar dívidas e reestruturar a vida", relatou Milton. Drigido por Graça Mello, o ator participou das primeiras experiências dramatúrgicas da Globo: o seriado "Rua da Matriz" e a novela "Rosinha do Sobrado".

Além de ter atuado em muitos sucessos na emissora, como "A favorita", que está sendo reprisada no "Vale a pena ver de novo", Milton também dirigiu uma série de obras. Na lista estão “Carga pesada”, “Irmãos Coragem” e “Escrava Isaura”. A última novela que participou na TV Globo foi O Tempo Não Para (2018), quando interpretou o catador de materiais recicláveis Eliseu.

Milton Gonçalves morreu nesta segunda-feira, dia 30, por volta de 12h30, como informaram os familiares ao G1. Ele estava em casa. Viúvo, ele deixa três filhos, dois netos e um legado que se confunde com a história da própria TV brasileira.

Do Extra 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
 
Luzimar Rodrigues