Social Icons

segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

ENTENDA POR QUE, MESMO COM R$ 100 MILHÕES PARA REFORÇOS, FLAMENGO PRECISOU DE EMPRÉSTIMO DE R$ 11,8 MILHÕES

Blog do Alex Ramos
Arrascaeta é um dos alvos do Fla, que quer pagar 10 milhões de euros por ele
 Arrascaeta é um dos alvos do Fla, que quer pagar 10 milhões de euros por ele Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro

Neste período de contratações, o Flamengo virou sinônimo de perigo para a maioria dos clubes. Com R$ 100 milhões no orçamento de 2019 apenas para reforçar o elenco, o Rubro-Negro tem incomodado os rivais pelo assédio aos seus jogadores. Ironicamente, na última quarta o clube da Gávea precisou aprovar no Conselho Administrativo uma captação de empréstimo de R$ 11,8 milhões, dinheiro necessário para pagar funcionários e fornecedores esta semana. Uma situação capaz de dar um nó na cabeça do torcedor. Mas que tem explicação.
O empréstimo foi solicitado por motivos de — no jargão da contabilidade — administração do fluxo de caixa. Algumas prestações de receitas previstas para os primeiros dias de 2019 sofreram um atraso e só serão depositadas nos próximos dias. Mas, como já tem contas a pagar esta semana, a diretoria precisou antecipar este dinheiro. Ou seja: o Flamengo já teria estes R$ 11,8 milhões. Mas só iria recebê-los após o vencimento de alguns compromissos.
O valor, que corresponde a apenas 1,57% do orçamento total de R$ 750 milhões para este ano, foi captado junto a uma instituição privada. Como garantia, foi dada uma parcela de receita do contrato com a Adidas, fornecedora de material esportivo, prevista para entrar nos cofres em março. Vale lembrar que este tipo de procedimento é comum em clubes de futebol.
Assim que a informação propagou pelas redes sociais, alguns torcedores concluíram que a necessidade de captação de empréstimo é um indicativo de que a gestão anterior, de Eduardo Bandeira de Mello, não entregou o clube com as contas equilibradas, conforme prometido. No entanto, a reportagem apurou com membros da atual diretoria do Flamengo que, até o momento, não foi detectado nenhum indício que seja motivo para preocupação na área financeira.
Renovação com a Caixa é incerta
O que mais deixa o setor financeiro em alerta, na verdade, é a possibilidade de perder o patrocínio da Caixa Econômica Federal, que pagou R$ 25 milhões em 2018 para estampar sua marca no espaço master da camisa. Membros da diretoria souberam que a estatal notificou alguns clubes para avisá-los que não renovará o contrato.
Até agora, o Flamengo não foi comunicado. Mas o departamento de marketing já está de sobreaviso e estuda o mercado em busca de uma alternativa à Caixa caso seja necessário.
Enquanto isso, o clube segue dando mostras de seu poderio financeiro. De acordo com o site do canal “ESPN Brasil”, o rubro-negro ofereceu R$ 27 milhões ao Santos pelo atacante Bruno Henrique. O negócio envolveria ainda o empréstimo de um jogador por um ano. Outra jogador pelo qual a diretoria se mostrou disposta a desembolsar uma bolada é Arrascaeta. A proposta feita ao Cruzeiro e ao jogador é de 10 milhões de euros (R$ 42,8 milhões). O assédio provocou uma crise na Toca da Raposa. O clube mineiro quer mais, o que irritou o meia. Ontem, ele faltou ao treino pelo terceiro dia seguido.
Até agora, o único reforço apresentado foi Rodrigo Caio. O zagueiro embarca neste domingo com os demais jogadores para Orlando, nos Estados Unidos, onde o time participará do Torneio da Florida.
Fonte: Extra

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
 
Luzimar Rodrigues