Social Icons

quinta-feira, 15 de outubro de 2020

Barroso determina afastamento de senador pego com dinheiro na cueca

 Blog do Alex Ramos

O ministro Luís Roberto Barroso, do STF(Supremo Tribunal Federal), determinou hoje o afastamento do senador Chico Rodrigues (DEM-RR) de suas funções no Congresso por 90 dias. A decisão agora segue para o Senado, que pode manter ou não a determinação de Barroso.

Ontem, Rodrigues foi pego com uma grande quantia de dinheiro vivo na cuecaem sua casa em Boa Vista, quando a Polícia Federal cumpria um mandado de busca e apreensão por suspeita de desvios de recursos públicos de emendas parlamentares destinadas ao combate à pandemia de covid-19.

De acordo com relatório da Polícia Federal, durante a busca e apreensão, foram apreendidos US$ 6 mil (ou R$ 33,7 mil, no câmbio atual) e mais R$ 28.150 na residência do ex-vice-líder do governo no Senado, Chico Rodrigues (DEM-RR). Parte desses valores, R$ 18,1 mil, estava na cueca do parlamentar. E, desses valores, R$ 15.000 estavam acondicionados em local "próximo às suas nádegas", de acordo com relato da delegada da Polícia Federal ao ministro Barroso.


A PF pediu prisão preventiva de Chico Rodrigues, mas a PGR (Procuradoria-Geral da República) manifestou-se contrariamente ao pedido. "Não é possível, por ora, afirmar que os valores momentaneamente ocultados pelo Senador efetivamente seriam provenientes dos crimes em suspeita, ou que guardariam relação com as atividades de Senador da República, a despeito da sua sustentabilidade como linha investigatória", alegou a PGR.


O senador era vice-líder do governo no Senado, mas foi dispensado da função hoje por causa da repercussão do caso.


Barroso, que já havia autorizado a operação da PF realizada ontem, justificou em sua decisão que o afastamento de Rodrigues é necessário pela "gravidade concreta dos delitos investigados" e também para evitar que o senador se utilize de suas funções parlamentares para atrapalhar a investigação.


A decisão do ministro ainda detalha a apreensão do dinheiro na cueca do senador.


"No momento da realização de busca e apreensão em sua residência, o parlamentar escondeu maços de dinheiro em suas vestes íntimas", escreveu Barroso.


Volume retangular

Em descrição feita pela PF e que embasou a decisão de Barroso, os agentes que participaram da apreensão do dinheiro relataram que o senador foi flagrado com o dinheiro porque apresentava "um grande volume, em formato retangular, na parte traseira das vestes".


Segundo relato do delegado Wedson Cajé Lopes, que participou da ação, o senador pediu para ir ao banheiro, provavelmente para tentar se livrar da quantia em dinheiro. Wedson então acompanhou Rodrigues no banheiro e percebeu o volume na roupa do senador, que vestia um short azul do tipo pijama e uma camisa amarela.


Nessa primeira apreensão, foram encontrados R$ 15 mil e os policiais perceberam que o dinheiro na cueca de Rodrigues só apareceu enquanto eles faziam buscas no quarto do seu filho, o que leva a entender que a intenção do senador era ocultar os valores ao pedir para ir ao banheiro.


Senador irritado

A PF relatou que a segunda apreensão aconteceu já com o senador irritado.


"Ao ser indagado pela terceira vez, com bastante raiva, o senador Chico Rodrigues enfiou a mão em sua cueca, e sacou outros maços de dinheiro, que totalizaram a quantia de R$ 17.900", diz o relato que consta na decisão de Barroso.


Mesmo após o episódio, os agentes ainda tiveram que fazer uma nova busca pessoal para encontrar mais R$ 250, que totalizaram os mais de R$ 33 mil apreendidos.


A PF filmou as ações e o vídeo da segunda apreensão terá que ser mantido em cofre por determinação de Barroso porque "exibe demasiadamente a intimidade do investigado ", diz a decisão. O ministro do STF afirmou que o vídeo causaria a "desnecessária humilhação pública" do senador.


'Vou provar minha inocência', diz senador

O senador Chico Rodrigues comunicou hoje sua saída da vaga de vice-líder do governo Bolsonaro no Senado. De acordo com Rodrigues, a decisão foi tomada para esclarecer os fatos. "Vou cuidar da minha defesa, e provar minha inocência".


Em nota, Rodrigues afirmou que está confiante na Justiça e diz que logo tudo será esclarecido. "Volto a dizer, ao longo dos meus 30 anos de vida pública, tenho dedicado minha vida ao povo de Roraima e do Brasil, e seguirei firme".


Dispensa da vice-liderança do governo "a pedido"

Por volta das 12h20, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) solicitou a dispensa do Chico Rodrigues da função de vice-líder do governo no Senado. A saída acontece "em atenção ao pedido" de Rodrigues, segundo mensagem direcionada ao Senado publicada em edição extra do Diário Oficial da União.


A permanência de Chico Rodrigues como vice-líder do governo era vista como insustentável. A expectativa era de que, se não pedisse para sair, seria retirado da função para não prejudicar mais ainda a imagem do governo.

Ele era um dos três vice-líderes do governo no Senado, os outros são Eduardo Gomes (MDB-TO) e Elmano Férrer (PP-PI).

Do UOL

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
 
Luzimar Rodrigues